segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Eternamente agora

Tive o ímpeto de declarar
Com tenuidade
Mas me contive.
Nem tudo pode ser declarado...
Mesmo que camuflado entre as palavras.
Ele que me desvende.
Me descubra.
Me cubra.
Desvende todas minhas ruas
Enquanto tem acesso a elas...
Ele que tente.
Olhe através do véu.
Sinta minha essência.
Que me leve ao céu.
Perdoe a indecência.
Reconheça a inocência.
Descubra minhas mulheres...
O quão podem ser reles.
Que olhe meus cantos...
Pergunte dos meus sonhos.
Dos meus desejos reprimidos...
E pra que cada comprimido.
Porque choro escondido...
Que ele se aprofunde em mim.
Que ele me ame mesmo assim.
Que me queira de qualquer forma
E que sossegue comigo
Eternamente agora.

(Carolina Salcides)

Um comentário:

ana elisa disse...

adorei isso!