sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Prêmio direitos humanos de jornalismo




TV Foca conquista o segundo lugar


Sob a árdua tarefa de retratar jornalisticamente os 30 anos da Anistia, 25 anos das Diretas Já! e a construção da Democracia, a TV Foca triunfou. O estágio em televisão da Faculdade de Comunicação Social (Famecos) da PUCRS conquistou a segunda e terceira colocação do XXVI Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo. A premiação é promovida pela OAB/RS juntamente com o Movimento de Justiça e Direitos humanos.

“Como é de âmbito nacional, se trata de Direitos Humanos e existe a concorrência de todas as emissoras brasileiras, é o prêmio mais importante que podemos ganhar”, afirma Marco Antônio Villalobos, coordenador dos focas e professor da faculdade. Villalobos destaca a importância da iniciativa dos alunos na hora de optar por este tema como pauta. “O principal mérito, como coordenador, não é receber a premiação, mas notar que os estudantes se interessam por estes assuntos”, destaca.

Durante a cobertura, foram entrevistados desde deputados até viúvas de militares caçados ou de desaparecidos. “Também ouvimos advogados que trataram da parte jurídica da anistia”, ressalta. Ele lembra que o trabalho poderia tranquilamente ser veiculado em qualquer emissora: “A cobertura foi completa e executada com competência pelos alunos”.

Participaram do ofício os estudantes Alice Klein, Bibiana Bolson, Gabriel Arévalo, Guilherme Hamm, Jamille Callai, Karine Tavares, Luiz Antônio Barbará, Sofia Stoffel e Vladmir Schilling e as intercambistas portuguesas Joana Miranda, Mafalda Saraiva e Rita Palma. Além de Villalobos, a TV Foca também é coordenada pela professora Cristiane Finger, coordenadora do curso de Jornalismo da Famecos. A recompensa será entregue no dia 10 de dezembro deste ano, quando da comemoração do 61º aniversário da proclamação da Declaração Universal dos Direitos Humanos.


FONTE: Revista Fator Brasil

Jus Brasil

Universia Brasil

Rel Uita

Coletiva.net

Oab RS

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Frase da semana

"Toda vez que você vence, isso diminui um pouco o medo. Você nunca anula realmente o medo de perder; você continua desafiando-o."

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

...

"Onde não existe a possibilidade de morte, a vida não acontece."

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Amizades

''As boas amizades são como o bom vinho: melhoram com o tempo.''

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Frase do Dia

"Eu amo, não só pelo que você é, mas pelo que eu sou quando estou a seu lado."
(Roy Croft)

Feira do Livro de Porto Alegre

Líder em vendas e atrações, a àrea infantil é destaque na Feira do Livro de Porto Alegre. Os escritores se desdobram para chamar a atenção das crianças, que lotam o Cais do Porto. Reportagem de Alice Klein.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

.

Aprecie as pequenas coisas, pois um dia você pode olhar para trás e perceber que elas eram grandes coisas.

(Robert Brault)

sábado, 10 de outubro de 2009

Entre nós dois

Se você conseguisse sentir o que eu sinto
Quando estou ao seu lado
Se pudesse ouvir meus pensamentos
Ou o meu coração bater
Com certeza iria se alterar
Mas eu gosto mesmo de ficar cá com meus botões
Imaginando coisas
Que não chegam a ser segredos
Mas são coisas minhas
Na sua simplicidade e grandiosidade
Gosto de deixar assim
Mas se por um momento você ouvisse esses sons
Talvez a tal graça desbotasse
Por entre os muros invisíveis que não existem mais entre nós.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Suficiente

"Princípio do prazer: se me deixa feliz, eu faço. E é uma boa finalidade, embora não seja suficiente para a maioria das pessoas, que geralmente precisam de objetivos mais nobres e mais, digamos, produtivos, resultados mais palpáveis “que levem a algum lugar”. Mas a felicidade e o prazer não deveriam ser o maior de todos os objetivos?"

(Carol Teixeira)

E esse trecho me lembra uma das minhas frases preferidas: "Siga a sua alegria."

Frase do dia

"Os que foram vistos dançando foram julgados insanos por aqueles que não podiam escutar a música."

(Friedrich Nietzsche)

O desafio da criatividade

Uma criança, ao ver a imensidão do mar pela primeira vez, disse espantada: “Pai, me ajude a ver”. A criança viu o mar quando ele estava calmo, e não revolto, quando o vento sopra forte gerando grandes ondas. O mar, com o tempo, também se transforma em um mar de problemas, quebrando, assim, a magia do olhar infantil. O mundo adulto pode entrar em águas perigosas, nas quais o desencanto afoga o encanto, a alegria naufraga nas lágrimas da tristeza e já não há um pai a quem perguntar; e frente ao desamparo muitos buscam Deus, como um norte diante da morte. Outros só creem na razão, e também há os que ficam sem perceber o espetáculo que é a água e a terra, o visível e o invisível, e tendem a se entediar, queixando-se muito da crueldade e da mesquinhez do cotidiano.

Para vencer o desafio da criatividade, é preciso, às vezes ao menos, aprender a viver com arte, é preciso viver dentro da arte, da arte de amar. Entrar nas intimidades das palavras e dos corpos, descobrindo as fantásticas histórias de um e do outro. Há os que conseguem tudo isso em harmonia com a natureza e, mesmo sem jamais ter percorrido as páginas de um livro, emocionam-se com as tonalidades celestes, com os matizes dos verdes e ainda desfrutam dos cantos dos pássaros. Também há os que criam uma nova comida com cheiros misteriosos, os que sabem ter sonhos e práticas eróticas, entre tantas situações de gozo e reconciliação com a frágil condição humana. Sem esquecer os que buscam, na literatura e no cinema, os momentos em que o artista torna acessível a todos o show do verso e da imagem.

Para vencer o desafio da criatividade, é preciso aprender a arte do espanto, que desafia o tédio ao criar todos os dias um novo dia, em todas as conversas uma nova conversa. Viver com arte é observar como as crianças brincam, como ficam absorvidas em cada brinquedo. Uma vez, um conhecido disse em tom depressivo que sua vida seguia igual, tudo estava mais ou menos, sem novidades. Perguntei-lhe então como se divertia quando era pequeno, e logo contou que tinha um carrinho em que podia entrar e dirigir; imaginava então corridas e obstáculos, que precisava desviar à direita e à esquerda. Ao concluir a recordação, sentiu-se animado, e então lhe perguntei por que quando criança se divertia tanto mais que agora. Ele ficou um pouco envergonhado, percebendo minha intenção: se fora capaz de brincar e se divertir antes, por que não agora?

Viver com arte é enfrentar os desafios, é recuperar os tempos em que tudo era emocionante: o mar, os carrinhos, as bonecas, as formigas, o gato e o cachorro, os cheiros, os amores e os livros. Só não me perguntem se tudo isso segue valendo a pena, porque esse é o desafio de cada um, isto é, o de ampliar a alma, enriquecer sua espirituosidade; porque, se a vida é muitas vezes trágica e sofrida, é também engraçada e divertida. Viver com arte é viver dentro da arte, é ser parecido com os artistas, ou melhor, é ser um artista exagerado e excitado com o cotidiano desafio da criatividade.

(Abrão Slavutzky, Psicanalista)

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Vídeo para web

Estou fazendo estágio na TV Foca da Pucrs, que faz um programa semanal para a UNITV, canal 15 da net. Somos um grupo de 14 estudantes de jornalismo, nos revezamos e cada semana muda a nossa função, que pode ser: produtor, editor, repórter ou editor chefe. Assim todo mundo aprende todas as áreas do telejornalismo.
Além disso somos responsáveis por colocar no ar o CanalFam, que é um programa direcionado para web. Como é feito para a internet, ele acaba atingindo um público diferente se comparado com o da televisão. Por isso a ideia é fazer algo um pouco mais descontraído.
O assunto da semana do CanalFam era a Rodoviária de Porto Alegre e a nossa colega portuguesa, a Mafalda topou ir com a gente até lá para nos mostrar as diferenças que existem entre a nossa rodoviária e as de Portugal. Essa foi a minha primeira experiência em web.

Confira:

O CanalFam pode ser acessado em: www.youtube.com.br/focanaweb

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Raios iluminam Porto Alegre

Os dias de chuva aqui no RS estão assustando muita gente. Ontem mesmo o Estado foi varrido por temporais impulsionados por ventos de até 130 km/h.
A imagem mostra os frequentes raios que iluminam Porto Alegre nesses dias. O crédito da foto é de Lucas Uebel, ele fez a foto da sacada do seu apto., esta foi publicada no jornal O Sul e no site da National Geographic.


quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Rosas

"Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho,
Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!"

Machado de Assis

sábado, 15 de agosto de 2009

Pensamento

Enxergamos o mundo através da janela de nossas emoções.

Uma sucinta vírgula

Às vezes acontecem coisas ruins em nossas vidas, porque a vida não é um mar de rosas sempre
Simplesmente acontecem coisas que fogem do nosso controle
Pensamos estar diante de um ponto final
Do ponto final da alegria, de um sonho, das certezas

Às vezes é nesse momento que surge uma sucinta vírgula, que muda o modo da gente enxergar o mundo
Uma vírgula que ao mesmo tempo que separa, une o antes e o depois
Muda tudo pois quando renovamos o modo de pensar, ao nosso redor a vida se modifica.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Mais um ano


Mais um ano se passou
Mais um ano cheio de alegrias
Onde estive rodeada das pessoas que eu amo, das pessoas que são importantes para mim
Só tenho que agradecer a Deus por mais um ano de aprendizado
Por cada momento maravilhoso que vivi.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Somos apenas meninos

"- Trabalhamos, compramos, vendemos e construímos relações sociais; discorremos sobre política, economia e ciências, mas no fundo somos meninos brincando no teatro da existência, sem poder alcançar sua complexidade. Escrevemos milhões de livros e os armazenamos em imensas bibliotecas, mas somos apenas crianças. Não sabemos quase nada sobre o que somos. Somos bilhões de meninos que, por décadas a fio, brincam neste deslumbrante planeta."
Augusto Cury, o autor de O Vendedor de Sonhos.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Uma opção

Não consigo mais te alcançar
Foi uma opção que fiz, eu sei
Não cogito a hipótese de voltar atrás
Mas mesmo assim, sinto muito

Procuro preencher meus dias
Com afazeres rotineiros e noites badaladas
Mas não consigo mais, enchê-los de cor

Às vezes penso no teu dia
Será que sente a minha falta?
Será que está se cuidando direito?
Pergunto-me também, com mais freqüência
Se já substituiu o meu lugar no teu peito

Sem resposta a nenhuma das inquietações
Volto meus pensamentos no aqui, agora
No meu dia-a-dia preto e branco

Completo minha vida com tudo que posso
Exceto tua presença

Que falta me faz, não imagina
Só o tempo irá mudar isso que sinto
São escolhas, eu sei
Mas mesmo assim, sinto muito.

[Uma opção, ficcional]

.

"Os fatos não mudam, mas podemos mudar a maneira de encará-los."

terça-feira, 7 de julho de 2009

A velocidade dos dias

Cada dia mais me surpreendo com a velocidade do tempo. Daqui uns dias já é meu aniversário de novo. É domingo, mas quando me distraio, já to na quarta. A minha tia, aquela bonitona, alta, vistosa, hoje é uma senhora. Meu maninho que ontem era um bebê, no próximo aniversário completa dez anos. No último final de semana encontrei uma amiga, do tempo do pré, nem sei como que a reconheci - nem como lembrava de tudo daquela época - já se passaram uns 17 anos. Por isso que resolvi acordar mais cedo ultimamente, porque o dia corria e quando me dava conta já era de noite, nem dava para fazer tudo que eu queria. Agora, não ligo mais para o que possam pensar, pois o tempo passa tão rápido, que náo há momento para bobagem.

sábado, 30 de maio de 2009

Dia Especial

Se alguém
Já lhe deu a mão
E não pediu mais nada em troca
Pense bem, pois é um dia especial
Eu sei não é sempre
Que a gente encontra alguém
Que faça bem
Que nos leva desse temporal
O amor é maior que tudo
Do que todos até a dor
Se vai
Quando olhar é natural
Sonhei que as pessoas eram boas
Em um mundo de amor
Acordei nesse mundo marginal
Mas te vejo e sinto
O brilho desse olhar
Que me acalma
Me traz força pra encarar tudo
O amor é maior que tudo
Do que todos, até a dor
Se vai quando o olhar é natural
Sonhei que as pessoas eram boas
Em um mundo de amor
E acordei nesse mundo marginal
Mas te vejo e sinto o brilho desse olhar
Que me acalma e me traz força pra encarar tudo

Cidadão Quem

quinta-feira, 14 de maio de 2009

A vida que ninguém vê

"O mundo é salvo todos os dias por pequenos gestos. Diminutos, invisíveis. O mundo é salvo pelo avesso da importância. Pelo antônimo da evidência. O mundo é salvo por um olhar. Que envolve e afaga. Abarca. Resgata. Reconhece. Salva."

Esse é um trecho do livro: A vida que ninguém vê, de Eliane Brum. A obra é uma reunião de crônicas-reportagens da autora, do tempo que ela escrevia para Zero Hora. Atualmente trabalha na revista Época, utilizando o gênero Jornalismo Literário.
Eliane Brum escreve com a vivacidade e a fúria dos grandes narradores. É a literatura da vida real.

domingo, 22 de março de 2009

Felicidade?

"Não tenho muito interesse pela felicidade. Eu vivi os anos 60, fiz tudo o que me interessava, passei um tempo na Índia e no Nepal, e poderia ter ficado por lá, nas drogas, se a felicidade me interessasse. Moraria até hoje em Katmandu, meio pelado, com os macacos, passeando pelas lojas que vendiam tudo o que alguém poderia querer, em várias qualidades e quantidades, a preço de banana. Se quisesse a felicidade, por que teria saído de lá? Não é a felicidade que me interessa. O que me interessa é a vida, é a intensidade das experiências, boas e ruins. Se tiver que curtir uma dor porque morreu meu pai, ou meu cachorro, ou me separei de alguém que eu amava, é para chorar mesmo, e chorar é legal, faz parte de sentir a experiência."

Me chamou a atenção esse trecho de uma entrevista com Contardo Calligaris (psicanalista italiano radicado no Brasil, colunista da Folha de S. Paulo), pois enquanto a maioria das pessoas busca desesperadamente pela felicidade, ele prefere a intensidade das experiências que a vida proporciona.

Mas será que se ele tivesse "ficado por lá, nas drogas", essa tal felicidade ainda existiria?

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Sem lenço, nem documento

Sem lenço, nem documento, deixo minhas pegadas na areia
Ao olhar para trás me deparo com um morro de pedras, um mar de água cristalina
Só o que vejo é a natureza, esse céu azul que me hipnotiza, esses verdes que me encantam
Curto a brisa, a maresia
É bom não ter hora para voltar
Anoitece e ali estou, ainda contemplando a paisagem
Tudo parece perfeito, só faltou você do meu lado
Noto que a vida pode, sim, ser
Emocionante, divertida e surpreendente.