sexta-feira, 18 de junho de 2010

“Por isso tem tanta gente que não ama, nem é amado. São os que não aguentam levantar a tampa que os protege do incerto, e mudar. Pois a paixão é incerta, não aceitando o estabelecido. O amor, pior, engana, garantindo que poderá ser estável e infinito. E o ódio rapaz, esse é sempre eterno. Portanto, quem é que não ama, não se apaixona, não odeia? Os covardes? Com certeza. Os covardes, entretanto, sábios. Naquele conceito de sabedoria que mata você de velho. E morrer de velho, convenhamos, é a coisa mais humilhante do mundo.”


Fernanda Young

terça-feira, 15 de junho de 2010

Memória de minhas putas tristes

Um jornalista de 90 anos anseia passar a noite de aniversário com uma prostituta - virgem. O personagem da obra "Memória de minhas putas tristes", é um homem solitário, que jamais casou, nem teve filhos, apenas possuía o desejo de estar com garotas de programa. Aos 50 anos, esteve com mais de 500 mulheres.
Sua única relação de amor foi com a garota virgem que conheceu no fim da vida. Nunca soube seu nome, mas a apelidou de Delgadina. A seu respeito, só sabia que atravessava a cidade de bicicleta para encontrar com o único cliente, e que no restante do dia pregava botões em uma fábrica.
"O sexo é o consolo que a gente tem quando o amor não nos alcança", esta é uma das frases da pequena história de amor, escrita pelo ilustríssimo Gabriel García Márquez.